O que o espiritismo sabe sobre a relação reencarnação Emmanuel?

Tempo de leitura: 12 minutos

Você já ouviu a expressão “disciplina, disciplina, disciplina”? Ela foi dita pelo espírito Emmanuel, no seu primeiro contato direto com o médium Chico Xavier, no começo da década de 1930. Nesse momento, Emmanuel explicou a Chico que esses eram os três pilares para trabalhar na mediunidade. Emmanuel foi o mentor espiritual de Chico e ficou conhecido em todo o Brasil (e fora dele) pelas muitas obras psicografadas. A reencarnação Emmanuel desperta muita curiosidade e é sobre isso que falaremos na nossa conversa de hoje.

A convivência entre Emmanuel e Chico Xavier é antiga. O mentor chegou a dizer a Chico: “Tenho seguido sempre os teus passos e só hoje me vês, na tua existência de agora, mas os nossos espíritos se encontram unidos pelos laços mais santos da vida e o sentimento afetivo que me impele para o teu coração tem suas raízes na noite profunda dos séculos”.

Com a orientação de Emmanuel, Chico psicografou centenas de livros. Esses livros são, hoje, fonte de conhecimento para espíritas dentro e fora do Brasil. São obras teóricas sobre a Doutrina Espírita, Romances e auxílios na conduta moral. O trabalho desses dois seres alterou para melhor os alicerces do espiritismo.

Saber Mais

Vidas passadas e reencarnação Emmanuel

Antes de falarmos sobre reencarnação Emmanuel e todas as especulações envolvidas no assunto, vamos relembrar juntos algumas das vidas passadas desse espírito de luz. Essas experiências foram descritas na obra “Deus Conosco”.

Segundo esse livro, a primeira reencarnação Emmanuel na Terra aconteceu nove séculos antes da vinda de Jesus, no Egito Antigo. Nesse momento, ele teria sido um grão-sacerdote chamado Simas, que viria a ser pai da futura rainha da região.

Em sua segunda reencarnação Emmanuel teria sido contemporâneo a Julio César. Foi um consul romano, aproximadamente um século antes da vinda de Jesus.

A terceira encarnação é uma das mais conhecidas. Nessa vida, Emmanuel se chamava Publius Lentulus Cornelius e era um senador romano. Viveu na mesma época que Jesus Cristo e lutou contra corrupção e injustiças. Chegou a encontrar com Jesus, mas não foi seu servo direto, embora seguisse e praticasse seus ensinamentos.

Vidas passadas e reencarnação Emmanuel

Na sua quarta encarnação, Emmanuel foi um escravo judeu. Na quinta, era filho de escravos gregos. Adotou uma filha e, para muitos, essa filha foi uma das encarnações de Chico Xavier.

Em sua sexta vinda à Terra, Emmanuel foi São Remígio e ficou conhecido como o apóstolo dos pagãos. Tinha profundo senso de justiça e ficou conhecido pela sua devoção a Deus e aos seus semelhantes.

Em sua décima encarnação neste plano, Emmanuel teria nascido no Brasil, mais precisamente no Pará. Foi o Padre Amaro e se dedicou a pregar o Evangelho de Jesus. No livro “Sacerdote católico que fui”, Chico Xavier psicografou mais detalhes sobre essa encarnação de Emmanuel.

Especulações sobre a reencarnação Emmanuel no Brasil

A grande curiosidade quando falamos sobre reencarnação Emmanuel se dá pelas especulações que surgiram no começo dos anos 2000, no Brasil. Antes de desencarnar, Chico Xavier disse que Emmanuel voltaria ao plano espiritual no Brasil, entre os anos 2000 e 2002. Nasceria no estado de São Paulo, provavelmente em alguma cidade do interior. Seria professor e, obviamente, espírita.

A partir dessas declarações, começou-se a relacionar o jovem Guilherme Romano à possível reencarnação de Emmanuel. Desde criança, Guilherme já demonstrava fortes manifestações mediúnicas. E, hoje, com 24 anos, já publica livros sobre a Doutrina Espírita.

Especulações sobre a reencarnação Emmanuel no Brasil

Guilherme ficou conhecido quando participou de um programa na Rede Globo sobre mediunidade infantil. Por tudo o que contava e por ter nascido no interior de São Paulo, começou-se a especular que ele seria a nova encarnação do mentor espiritual de Chico Xavier. Guilherme nasceu em 1993, período em que o espírito Emmanuel ainda trabalhava guiando Chico Xavier.

De acordo com o médium, Emmanuel só deixaria essa tarefa em meados da década de 1990, justamente para começar a planejar sua próxima encarnação. Portanto, para muitos, Guilherme Romano não é a reencarnação de Emmanuel, embora muitas de suas características – a não de a idade – sejam compatíveis com o que nos contou o médium Chico Xavier.

O que sabemos sobre a próxima encarnação de Emmanuel?

Se tudo aconteceu como contou Chico Xavier, Emmanuel já está encarnado novamente no Brasil. Tem como pais alguns dos nomes que aparecem na obra “Nosso Lar”, encarregados de auxiliá-lo durante o trabalho na Terra. Para muitos, Chico Xavier seria o mentor de Emmanuel, invertendo papeis e dando continuidade à essa parceria tão importante para a Doutrina Espírita. Todas essas são especulações e, com o tempo, saberemos com mais certeza sobre a reencarnação Emmanuel.

Principais obras de Emmanuel e Chico Xavier

Conhecer sobre a reencarnação Emmanuel é importante e, sem dúvidas, desperta curiosidade em todos aqueles que são espíritas. Mas ler suas obras e ter contato com tudo aquilo que ele nos deixou é mais que essencial. As obras de Emmanuel-Chico são instrumentos preciosos de auxílio para a reforma íntima. Trazem esclarescimentos e complementos à Codificação Espírita de Allan Kardec, o fundador do espiritismo.

Todas são especiais e falam sobre assuntos específicos, mas separamos algumas para quem deseja começar a ler os escritos de Emmanuel e seguir aperfeiçoando-se através do conhecimento espiritual.

O Consolador

Esse é um livro de perguntas e respostas (como o Livro dos Espíritos). Foi publicado em 1941 e é dividido em três assuntos centrais, que buscam abordar os três pilares do espiritismo: Religião, Ciência e Filosofia. Nesse livro, Emmanuel responde questões importantes e deixa uma verdadeira enciclopédia para entender alguns dos temas centrais da Doutrina.

O Consolador

Separamos um trecho deste livro:

313 –Como entender a bem-aventurança conferida por Jesus aos “pobres de espírito?”.

-O ensinamento do Divino Mestre, referia-se às almas simples e singelas, despidas do “espírito de ambição e de egoísmo” que costumam triunfar nas lutas do mundo. Não costumais até hoje denominar os vitoriosos do século, nas questões puramente materiais, de “homens de espírito?” É por essa razão que, em se dirigindo à massa popular, aludia o Senhor aos corações despretensiosos e humildes; aptos a lhes seguirem o ensinamento; sem determinadas preocupações rasteiras da existência material.

Fonte Viva

Fonte Viva

Essa é uma das obras mais conhecidas de Emmanuel, psicografada por Chico Xavier. Junto a outras obras, formou a coleção Fonte Viva. Em Fonte Viva, Emmanuel comenta os ensinamentos do Evangelho, focando em incentivar a prática desses ensinamentos (e não somente o seu entendimento enquanto uma teoria). É um livro que convida ao trabalho no bem, ao exercício da humildade e à prática cristã efetivamente. Indispensável para todos nós, irmãos de ideal.

Caminho, Verdade e Vida

Publicado pela primeira vez em 1949, esse livro ajuda a interpretar textos sagrados, adaptando-os para contextos mais atuais e auxiliando todos que desejam aprender o que foi dito nesses textos. Nas palavras de Emmanuel:

Caminho, Verdade e Vida

“Muitos amigos estranhar-nos-ão talvez a atitude, isolando versículos e conferindo-lhes cor independente do capítulo evangélico a que pertencem. Em certas passagens, extraímos daí somente frases pequeninas, proporcionando-lhes fisionomia especial e, em determinadas circunstâncias, as nossas considerações desvaliosas parecem contrariar as disposições do capítulo em que se inspiram”.

Espírito da verdade

Nesse livro, Emmanuel, junto a outros espíritos, como André Luiz e Meimei, comenta capítulos e lições do Evangelho Segundo o Espiritismo. Falam sobre a beleza e simplicidade dos ensinamentos deixados por Jesus e comentam os esclarecimentos trazidos por Alan Kardec na Codificação Espírita.

Essa obra fala, sobretudo, da real necessidade de construir a paz através da reforma íntima, do trabalho e da caridade pura. Separamos um trecho dessa obra inspiradora:

Espírito da verdade

“Procura pois, revestir as próprias manifestações, perante aqueles que te rodeiam, com os recursos da simpatia que ajuda e compreende, e da bondade que concede e perdoa, ampliando a misericórdia no mundo e fortalecendo a fraternidade entre todas as criaturas.

Enriquece com o teu entendimento o patrimônio afetivo do companheiro e o companheiro retribuir-te-á com auxílios originais e incessantes. Envolve em tua generosidade fraterna a alma infeliz e desajustada, e nela descobrirás imprevistas nuanças do amor.

Não desprezes a simpatia e a bondade ante as lutas alheias e a bondade e a simpatia nos outros te abençoarão toda a vida” (Emmanuel).

A reencarnação de Chico, Divaldo e Kardec

Se a reencarnação Emmanuel desperta curiosidade, isso não é diferente com outros nomes conhecidos na Doutrina, como o médium Chico Xavier, o médium Divaldo Franco e o próprio fundador do espiritismo, Allan Kardec. O que se sabe sobre esse tema até o momento?

Chico Xavier, um dos maiores – senão o maior – médiuns brasileiros, dedicou parte da sua obra para falar sobre reencarnação. Anos depois, um de deus discípulos, Arnaldo Rocha, dedicou-se a estudar as reencarnações de Chico Xavier.  Passando por lugares como Egito, França, Espanha; sendo homem e, algumas vezes, mulher, até nascer em Minas Gerais: tudo isso foi parte da trajetória de Chico Xavier.

A reencarnação de Chico, Divaldo e Kardec

Divaldo Franco, médium baiano, também retrata a reencarnação em suas obras e palestras, falando, inclusive, sobre suas próprias encarnações passadas. É comum, em entrevistas e palestras, Divaldo contar a história de quando esteve em Paris, cidade de Allan Kardec, pela primeira vez. Lá, ele caminhou sozinho e acabou chegando perto do que ele acredita ter sido o cenário de suas vidas anteriores. Esse também é um caso de reencarnação no universo brasileiro.

Reencarnações de Allan Kardec

Existe muita curiosidade e esperança quando o assunto é Allan Kardec. Muitos irmãos de ideal espírita buscam acompanhar relatos sobre reencarnações desse cientista francês que, como sabemos, foi o precursor do espiritismo da maneira em que conhecemos atualmente.

No Brasil, talvez pelo grande alcance que a Doutrina tem, é comum surgirem textos sobre a reencarnação de Kardec. O último deles, que ganhou grande repercussão no universo espírita e acabou sendo reconhecido por médiuns importantes, diz que Kardec está reencarnado na Terra. Até o momento, segundo esses rumores, pouco se sabe sobre essa nova existência.

Já chegou-se a acreditar que o próprio Chico Xavier foi uma encarnação de Kardec. Mas isso foi negado pelo próprio médium durante uma entrevista à Rádio Nacional no fim da década de 1990.

E eu, quem fui em outras vidas?

A curiosidade sobre as vidas passadas não existe apenas quando pensamos em pessoas conhecidas, como Emmanuel ou Chico Xavier. Para muitos, não é só tema reencarnação Emmanuel que chama a atenção, mas há uma enorme vontade de saber quem fomos em outras existências. Será que isso é realmente necessário?

Sempre que conversamos sobre reencarnação, ressaltamos a existência da Lei do Esquecimento. Vamos relembrar o que é isso?

Reencarnação e Lei do Esquecimento: o quanto precisamos saber

Nós, irmãos de ideal espírita, vestidos dos conhecimentos que chegaram até nós através dos espíritos, entendemos que a lei divina é perfeita. Dessa forma, é fácil compreender o motivo pelo qual não nos lembramos de nossas encarnações passadas. Isso não é necessário para a nossa jornada e, de certa forma, seria prejudicial conhecermos todo o nosso passado de vidas anteriores. Ou o passado daqueles que nos cercam.

É muito comum que espíritos que já estiveram em conflito sejam unidos na mesma família em uma nova encarnação. Nesses casos, a Lei do Esquecimento é fundamental. Quando uma mãe ou um pai veem seu filho pela primeira vez, eles têm a capacidade que amar aquele ser infinitamente. Sem conhecer o seu passado ou os seus vícios como espírito. E isso é perfeito para a evolução e para o perdão: as mágoas de outras vidas serão superadas nessa vida atual através do amor. E não pela dor.

Desconhecer nosso passado de outras vidas no momento em que encarnamos é algo essencial. Em outras palavras, é a Lei do Esquecimento o que permite que uma nova encarnação seja a oportunidade que todos nós temos de começar um novo ciclo. Obviamente, temos ainda que arcar com erros de outras existências. Mas o fato de desconhecermos esses erros ou os erros de nossos semelhantes faz com que o caminho seja mais fácil e menos doloroso.

Esperamos que a nossa conversa sobre reencarnação Emmanuel tenha sido proveitosa. Se você ficou com vontade de ler os livros de Emmanuel ou outros da Doutrina, lhe convidamos a conhecer nossos audiobooks com lições espíritas em áudios. Até a próxima!

 

1 vote

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.